sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Uma história de amor 2

capitulo 2

DSCF0927 Veneza dos enamorados

Os dias eram corridos. Levantava-se cedo e dormia-se tarde.  Fazíamos muitas  lições e passeios por várias regiões da Itália. Nos finais de semana levantava-se ainda mais cedo pois os passeios mais distantes ficavam para sábados e domingos. 

Num destes finais de semana fomos à Florença, distante umas 4 horas de viagem, num ônibus nada confortável. Andamos o dia todo para dar conta de ver tudo e, como prevíamos, não vimos. Nem para comer nós paramos. Andávamos comendo um pedaço de pizza e dividindo uma garrafa de refrigerante.

Glória conseguiu encontrar todos os brasileiros que moravam em Florença ou melhor, todos os que trabalhavam na Feira que visitamos. Impossível não conversar com ela. Era a simpatia em pessoa.

Retornamos por volta da meia noite e no dia seguinte ainda tínhamos de levantar às 5 para ir à Veneza.

Sonâmbulas e com mais umas 5 horas previstas dentro daquele ônibus desconfortável. Mas, nada tirava nossa alegria e disposição.

Veneza estava agora à nossa frente. Linda e majestosa como sempre. E, acima de tudo, romântica. Quem resiste àquela atmosfera, àquelas gôndolas, aqueles canais. Tudo ali inspira.

Glória já estava inspirada. Era uma inspiração espanhola. Essa inspiração se chamava Joaquim. Um amor tipo platônico, como nos tempos de menina, cheio de encantamentos e cumplicidade.

Falavam-se com o olhar e eram inseparáveis. Inseparáveis mas, respeitosos ao limite. Joaquim era casado. Nenhum dos dois, à princípio, queria admitir a atração pelo outro.

Diante de uma loja de cristais, Glória entrou para comprar uma lembrancinha. Ele ficou na porta, a esperar.

Comprou três corujinhas minúsculas, que custaram 5 euros cada uma, mas era o que podia. Daria uma para a tia, ficaria com outra e,  surpreendeu-o com a terceira.

Olhando  para a corujinha e  contou a ela que sempre que viajava costumava levar de recordação uma corujinha. Disse também que aquele fora  o presente mais especial que havia recebido em toda sua vida!

Teve também o lance do banheiro. Diferentemente daqui, lá na Itália os banheiros são condivididos isto é, homens e mulheres usam o mesmo banheiro e assim, nós sempre ficávamos um pouco receosas de os utilizar. Era sempre um pouco constrangedor topar com um homem entrando ou saindo. Cavalheiro como era, Joaquim fazia-se de seu escudeiro. Sempre que ela queria utilizar a toalete lá ficava ele de plantão na porta.

Formavam, sem dúvida um belíssimo casal.

Veneza foi como um paraíso para os dois. Passeando pelos canais, conversando em espanhol e estreitando afinidades. Eram tantas… Ambos gostavam de arte, de coisas delicadas, do mesmo tipo de música. Música aliás que compartilhavam com um MP, um fone no ouvido de cada um. Pareciam irmãos siameses, tão colados ficaram o dia inteiro.

Foi um dia mágico onde se deram conta do que estavam sentindo um pelo outro. Impressionante que falaram sobre tudo, menos de amor.

O dia terminou. O sol se pondo no horizonte e todos à bordo do “tragheto”. Na amurada do navio Glória deixava a saudade escorrer pelo canto do olho. Chorava por aquele amor impossível, pelos abraços  não dados, pelos beijos não roubados… Foi quando ele se aproximou novamente, corujinha na mão e colocou delicadamente o fone no seu ouvido.

A música não podia ser outra: Come c’ est triste Venise de Charles Aznavour.

Assim ficaram, em silêncio… Só a música e as recordações de um dia inesquecível.

Hoje, depois de um ano continuam a se falar. Ele na Espanha, ela no Brasil. Mas sabem, ficará para sempre gravada na lembrança dos dois aqueles dias, principalmente Veneza, com todo seu encanto e magia.

 

continua

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Uma história de amor 1

Capitulo 1        

DSCF0008

 Castelraimondo

Chovia e fazia frio. Depois de dois dias e uma noite de viagem, finalmente, chegamos ao destino: Castelraimondo.

Já havíamos perdido o primeiro dia de aula e estávamos todo este tempo quase sem nos alimentar.

A coordenadora nos recebeu, o dono do apartamento nos deu a chave e para lá nos dirigimos, mortas de cansaço e de fome. Quando abrimos a porta, já haviam outras 3 mulheres. Todas brasileiras também, porém cada uma de uma parte do Brasil: Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Ceará.

Entramos, nos cumprimentamos e esperamos que alguém desocupasse um dos 3 quartos do apartamento.

Glória se prontificou. Porém, não havia um sorriso em seus lábios e eu podia ler em sua mente o quanto aquilo não estava sendo agradável para ela.

Por alí não havia onde comer e, então nos disseram que haveria coquetel de boas-vindas. Famintas, descemos até o saguão e, surpresa: nada mais restava das poucas coisas que haviam colocado nas mesas. Só farelos de salgadinhos, daqueles comprados em saquinhos no mercado.

À noite, não sabia se o ronco era de alguém que dormia profundamente ou de nossas barrigas.

De manhã, não tínhamos nada para nosso desjejum. Nossa aula começaria às 9 e o supermercado estaria abrindo suas portas neste horário.

Nos falamos pelo olhar: será que teremos de esperar até o almoço novamente?  Feitas as contas descobrimos que assim que terminasse a aula, o supermercado estaria fechando suas portas e só reabriria às 4 da tarde.  Estaríamos, definitivamente, fadadas a mais um dia de jejum?

Neste ponto, acho que elas ficaram com pena, ou viram nossa cara de famintas e, gentilmente, ofereceram suas torradas e leite para o desjejum.

Glória já começava a esboçar um sorriso. Era nítido que a rejeição inicial começava a desaparecer.

De fato, não demorou nada e já estávamos unidas, como se nos conhecêssemos há muito tempo.

Glória vivia rindo e brincando, especialmente com Cida, a de Fortaleza.

Éramos 5 pessoas completamente diferentes, com sotaques diferentes e, no entanto, tão parecidas.

Eu adorava ouvir as conversas, principalmente da Cida e da Glória. Às vezes, chegava a doer a mandíbula de tanto que eu ria com elas.

O prédio era uma verdadeira torre de Babel. Gente de todas as partes do mundo: Inglaterra, Japão, Austrália, Canadá, Chile, Espanha… Mas, o idioma que nos aproximava dos outros era o italiano.

Glória, a mais extrovertida, fazia amigos com facilidade e falava francês e espanhol também, assim mais pessoas se aproximaram dela e de nós. Jocelyne, do Canadá, tinha dificuldades para se comunicar em  italiano… pronto, lá estava a Glória “chiaccherando” com ela em francês.

Ela era mesmo uma pessoa inesquecível, imprescindível. Uma presença marcante. Com pouco mais de um metro e meio e um pouquinho acima do peso era capaz de obscurecer com seu brilho qualquer outra pessoa, até mesmo uma top model. Seu segredo? Sua autoestima e seu sorriso cativante. Ela não andava, flutuava.

Foi capaz de ir ao Pub de vestido preto, echarpe pink e pantufa e ninguém notou que usava pantufas porque era impossível não fixar-se naquele sorriso e naquela fala mansa de gueixa. Ela hipnotizava a todos com seu charme de mulher francesa, seu ardor de espanhola e sua simpatia de mulher brasileira.

 

Continua amanhã….

Você conhece Antalya?

Esta linda cidade fica na Turquia e você pode conhecê-la melhor através do blog do Isa Burak Gonca .

Vale a pena.

http://antalya-magnificent-city.blogspot.com/

antalya 2

antalya

terça-feira, 25 de agosto de 2009

QUEM É O SEU AMANTE?

violino

“Muitas pessoas têm um amante e outras gostariam de ter um. Há também as que não têm, e as que tinham e perderam.

Geralmente, são essas últimas as que vêem ao meu consultório para me contar que estão tristes ou que apresentam sintomas típicos de insônia, apatia, pessimismo, crises de choro, dores etc.

Elas me contam que suas vidas transcorrem de forma monótona e sem perspectivas, que trabalham apenas para sobreviver e que não sabem como ocupar seu tempo livre. Enfim, são várias as maneiras que elas encontram para dizer que estão simplesmente perdendo a esperança.

Antes de me contarem tudo isto, elas já haviam visitado outros consultórios, onde receberam as condolências de um diagnóstico firme:”Depressão”, além da inevitável receita do anti-depressivo do momento.

Assim, após escutá-las atentamente, eu lhes digo que não precisam de nenhum anti-depressivo; digo-lhes que precisam de um AMANTE!

É impressionante ver a expressão dos olhos delas ao receberem meu conselho.

Há as que pensam: 'Como é possível que um profissional se atreva a sugerir uma coisa dessas?!'  Há também as que, chocadas e escandalizadas, se despedem e não voltam nunca mais.

Àquelas, porém, que decidem ficar e não fogem horrorizadas, eu explico o seguinte: AMANTE é 'aquilo que nos apaixona', é o que toma conta do nosso pensamento antes de pegarmos no sono e é também aquilo que, às vezes, nos impede de dormir.

O nosso AMANTE é aquilo que nos mantém distraídos em relação ao que acontece à nossa volta. É o que nos mostra o sentido e a motivação da vida.

Às vezes encontramos o nosso amante em nosso parceiro, outras, em alguém que não é nosso parceiro, mas que nos desperta as maiores paixões e sensações incríveis. Também podemos encontrá-lo na pesquisa científica ou na literatura, na música, na política, no esporte, no trabalho, na necessidade de transcender espiritualmente, na boa mesa,
no estudo ou no prazer obsessivo do passatempo predileto...Enfim, é 'alguém' ou 'algo' que nos faz 'namorar' a vida e nos afasta do tristedestino de 'ir levando'.

E o que é 'ir levando'? Ir levando é ter medo de viver. É o vigiar a forma como os outros vivem, é o se deixar dominar pela pressão, perambular por consultórios médicos, tomar remédios multicoloridos,

Afastar-se do que é gratificante, observar decepcionado cada ruga nova que o espelho mostra, é se aborrecer com o calor ou com o frio, com a umidade, com o sol ou com a chuva.

Ir levando é adiar a possibilidade de desfrutar o hoje, fingindo se contentar com a incerta e frágil ilusão de que talvez possamos realizar algo amanhã*.

Por favor, não se contente com 'ir levando'; procure um amante, seja também um amante e um protagonista ... DA SUA VIDA!

Acredite: O trágico não é morrer, afinal, a morte tem boa memória e nunca se esqueceu de ninguém. O trágico é desistir de viver. Por isso, e sem mais delongas, procure um amante ...

A psicologia, após estudar muito sobre o tema, descobriu algo

Transcendental:

'PARA SE ESTAR SATISFEITO, ATIVO E SENTIR-SE JOVEM E FELIZ, É PRECISO
NAMORAR A VIDA.'

QUEM É O SEU AMANTE?

(Dr. Jorge Bucay - PSICÓLOGO - tradução do original 'Hay que buscarse
un Amante')

sábado, 22 de agosto de 2009

HORA DE TROCAR PRESENTES

OBRIGADA ALVARO, AMIGO  E POETA.

ESTE SELO MUITO ME HONRA.

FICO FELIZ POR VOCÊ ACHAR QUE MEU BLOG LEVA PAZ E CALMA. ABRAÇO IMENSO!

REPASSO A TODOS OS QUE ME VISITAM E ACHAM O MESMO DO MEU BLOG.

 

BLOG DE LUZ

 

ESTE RECEBI DA QUERIDA MILENE,

SEMPRE PRESENTE E DISTRIBUINDO CARINHO EM FORMA DE SELOS.

OBRIGADA, QUERIDA!

Selo exclusivo do Blog Ideias de Milene!

 

O SELO; LITERATURA É ARTE FOI REPASSADO POR ELA.


E tem regras:
1 - Diga 8 características suas:

SOU SENSÍVEL, RESPONSAVEL, CONFIÁVEL, AMIGA, APRENDIZ, MAS TAMBÉM VIRO FERA QUANDO VEJO COISAS ERRADAS, FICO MAGOADA COM INDIFERENÇA E INDIGNADA COM INJUSTIÇAS.

2 - Indicar 6 blogs:

RECEBO COM MUITO CARINHO E REPASSO PARA ALVARO, EDUARDO POISLGLORIA, ANDRESA ARAUJO, MATEUS ARAUJO, DU

 

ESTE FOI PRESENTE DA JACQUE. OBRIGADA, MINHA AMIGA!

É MUITO LINDO E CARINHOSO, COMO VOCÊ.

ESTE TAMBÉM É DELA ,DO SEU NOVO BLOG: http://pravocecomcarinho-jacque.blogspot.com/

É lindo, amei!

Responda 5 coisas

que você gostaria que sumisse do mundo.

OK, AQUI VÃO ELAS:

POBREZA, VIOLÊNCIA, DOENÇAS, DISCRIMINAÇÃO, IGNORÂNCIA, FOME, PEDÓFILOS, ARMAS DE MODO GERAL, INDIFERENÇA, CORRUPÇÃO.

E escolho TODOS os amigos que me visitam para receber o selo, MAS DE MODO ESPECIAL REPASSO À LEONOR, MINHA AMIGA QUERIDA

ESTE AQUI RECEBI DO FERNANDO.

OBRIGADA DE CORAÇÃO. AGORA VOCÊ E A FRANCELINA SÃO PARTE DE MINHA FAMÍLIA.

 

As regras deste selinho são:


Anotar cinco características pessoais

Escreverei 5 características físicas porque já fiz escrevi sobre outras características comportamentais.

Aqui vai: sou baixa: 1,55m, pele bastante clara, cabelos castanhos, olhos castanhos e aparência muito calma (só a aparência, rs).

Também repasso a todos que ainda não possuem este selo, mas em especial à Jacque.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Deus

delfini
Outro dia fui convidada a falar sobre Deus no blog da Milene, na verdade para dizer  qual pergunta faria a ele e, como o chamaria.
O texto abaixo é o comentário que deixei lá no Idéias de Milene.
 

Fui criada dentro dos preceitos da religião católica. Aprendi no catecismo e nas leituras da Bíblia todos os dogmas e "verdades". Mas, depois cresci e conheci outras outras crenças e comecei a questionar e comparar.

Os índios acreditam em deuses da florestas e espíritos e, foram considerados seres inferiores pela igreja católica; assim, os jesuítas se acharam no direito di surrá-los para que aceitassem os "novos ensinamentos".
Na idade média, pessoas foram queimadas vivas por acreditarem na ciência, porque isto ia de encontro àquilo que os "doutores da lei" sempre pregaram.
Darwin foi por muito tempo rechaçado por sua teoria da evolução.

Bem, o que quero dizer é que não podemos acreditar em tudo que nos falam e, principalmente naquilo que as religiões nos impõem. Isto seria perigoso demais. Precisamos ter fé, mas ela não pode ser cega.

Eu gosto de acreditar que fazemos parte de um conjunto universal onde todos compomos algo muito especial. A isto chamo Deus. Nós somos uma de suas células. Cada corpo celeste, cada pessoa, cada planta ou animal é importante dentro deste organismo vivo. Deus está em nós porque somos parte dele. Somos energia e assim somos capazes de nos comunicar sem a necessidade de palavras. As partes compoem o todo e o todo está em cada parte. Quando uma célula está doente, o corpo sabe. Assim como um corpo sabe quando alguma parte foi atingida e imediatamente manda seu “exército de defesa” para resolver a situação, penso que o mesmo ocorre com o universo. Ele  sempre conspira  para o bem da humanidade.

Certo é, que muitas vezes perdemos partes sadias mas, para tudo existe um propósito. Se a terra hoje é um planeta onde a vida é possível é porque elá está no lugar certo no sistema solar, nem perto demais, nem longe demais. Acho que nada é por acaso. As coisas só acontecem porque tem um propósito. Só recebemos aquilo que desejamos.

Este propósito deve servir para refletirmos e para tomarmos maiores cuidados. Serve para crescermos em discernimento. Serve para policiarmos nossos pensamentos e atitudes.

Eu acredito nesta “força” capaz de nos conduzir e não preciso de um nome para chamá-la, basta  acreditar que tudo é possível.

Não há dias sem sol, nem vida sem alegria. Se chove em alguns dias é porque as plantas necessitam da água para brotarem mais fortes.

Somos nós a força, fazemos parte dessa força universal.

Somos seres feitos de luz, somos feitos de poeira de estrelas e, se elas brilham, porque nós não brilharíamos também?


Angel

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Vamos torcer 2

 

Pôr-do-sol

Desculpem-me!

Nem todas as pessoas estão conseguindo ver as imagens. Creio que estou com algum problema na edição pois não estou conseguindo nem mesmo reeditar. Coisas de gente que não entende de informática.

Quando o “computador” sente que a pessoa que está na cadeira não é expert, adora fazer das suas. Acho que é para desmentir aquela máxima que “todo computador é burro” . rs…

Agradeço os comentários, mesmo sem saber do que se trata e, pela consideração de continuar me seguindo apenas porque confiam em mim.

Mas vamos torcer então que o amanhã seja sempre muito melhor que hoje.

Um grande beijo a todos e mais uma vez mil desculpas.

Angela

Insônia

 

FotoSketcher - DSCF1806

Silêncio.

Madrugada.

Rua vazia.

Uma lua branca de linho

estendida no escuro,

sobre o nada.

Num momento insone,

conversam confidentes

Presente, Passado,  Futuro.

Um pensamento corta o espaço,

versejando a esmo.

Escuto passos:

é meu coração abrindo a porta de mim mesma.

Flora Figueiredo.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Uma boa semana a todos

 

Segunda-feira!

Recomeça a trabalheira…

Parece que a canseira

chega por inteira.

Para quem está empregado,

melhor seria se fosse feriado.

Para quem está desempregado,

melhor seria estar empregado.

Começamos o dia

sem muita alegria,

nem desejamos Bom-dia.

Qualquer coisa já arrelia.

Proponho uma mudança:

soltarmos  a   criança,

sorrir com  esperança

e usar mais  a temperança.

O sol ainda brilha,

e ilumina nossa trilha.

Que maravilha!

É hora de partilha.

Partilhemos  seu calor

Partilhemos nosso cobertor

Partilhemos uma flor

Partilhemos o amor.

 

Boa semana a todos!

Angel

sábado, 15 de agosto de 2009

Um anjo chamado “Franciete”

familia 006Eu acredito em anjos. Definitivamente.

Sempre acreditei que muitas pessoas entram em nossas vidas somente com o objetivo de nos ajudar.

Já encontrei muitos desses anjos sem asas pelo mundo mas, encontrar esses anjos pela internet e construir uma amizade tão real,  é algo de verdadeiramente celestial.

Um anjo a quem dei o nome de Franciete, pois fiz a junção de dois de seus nomes, é mais um desses anjos.

Nunca nos vimos pessoalmente mas hoje é como se fôssemos irmãs.

Já trocamos fotos e confidências e entendemos o coração uma da outra sem que precisemos dizer qualquer coisa. Nos entendemos nas entrelinhas.

O que dizer de uma mulher capaz de fazer uma oração à Nosssa senhora de Fátima pedindo pela minha pronta recuperação quando da cirurgia que fiz?

Podem imaginar a surpresa quando ela me disse que enviaria de Portugal uma vela e a oração para que eu a ofertasse à Virgem em sinal de agradecimento?

E, a emoção… quando recebi essa gentileza e mais uma recordação inesquecível, um porta retrato com a imagem da Santa gravada em relevo, na prata?

Como posso eu agradecê-la?

Como posso descrever aqui todo o bem que lhe quero?

Como dizer através de palavras tudo o que meu coração sentiu quando abriu a embalagem do correio?

Obrigada, seria uma palavra muito pequena diante de tamanho gesto de carinho.

Talvez o que eu relate agora sirva para te dizer apenas o quanto estás próxima de Nossa Senhora de Fátima e do quanto sua intercessão foi poderosa no meu restabelecimento.

Ainda ontem, na clínica, todos os que acompanharam e ainda acompanham minha cirurgia disseram que estão impressionados com a rapidez com que me recuperei.

Aliás, para quem passou por uma cirurgia de 5 horas e, dois dias depois, estava em casa recebendo 4 hóspedes, cozinhando e conversando como se nada tivesse ocorrido é mesmo um milagre.

Um milagre do amor e amizade entre pessoas que realmente acreditam em algo superior, acreditam nos anjos e santos.

OBRIGADA, FRANCIETE!

QUE DEUS E NOSSA SENHORA DE FÁTIMA TE PROTEJAM SEMPRE E, QUE POSSAMOS SER AMIGAS PELA ETERNIDADE.

BEIJO EM SEU CORAÇÃO.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Certezas

sonho esperança

De tudo ficaram três coisas...
A certeza de que estamos começando...
A certeza de que é preciso continuar...
A certeza de que podemos ser interrompidos
antes de terminar...
Façamos da interrupção um caminho novo...
Da queda, um passo de dança...
Do medo, uma escada...
Do sonho, uma ponte...
Da procura, um encontro!

Fernando Sabino

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Quero voltar a confiar!

IMG_0188

Fui  criado com princípios  morais comuns:

quando  eu era pequeno, mães,  pais, professores, avós,  tios, vizinhos eram  autoridades dignas de  respeito e consideração.

Quanto  mais próximos ou mais  velhos, mais afeto.

Inimaginável  responder de forma mal  educada aos mais velhos,  professores ou autoridades…

Confiávamos  nos adultos porque todos eram pais, mães ou familiares das crianças da nossa rua, do bairro, ou da cidade…

Tínhamos  medo apenas do escuro,  dos sapos, dos filmes  de terror…

Hoje  me deu uma tristeza  infinita por tudo aquilo  que perdemos.

Por  tudo o que

meus  netos um dia enfrentarão.

Pelo  medo no olhar das  crianças, dos jovens,  dos velhos e dos  adultos.

direitos  humanos para criminosos,

deveres  ilimitados para cidadãos

honestos.

Não  levar vantagem em tudo  significa ser idiota.  trabalhador  digno   e cumpridor dos deveres  virou  otário.

Pagar  dívidas em dia é ser tonto…

Anistia  para corruptos e sonegadores…

O que aconteceu conosco?

Professores  maltratados nas

salas  de aula,

comerciantes  ameaçados por

traficantes,

grades  em nossas janelas e

portas.

Que  valores são esses?

Automóveis

que  valem mais que abraços, 

filhas  querendo uma

cirurgia  como presente

por  passar de ano.

celulares  nas mochilas de crianças.

Filhos   esquecendo o respeito,  no trato com os  pais e avós.

No  lugar de senhor, senhora,  ficou oi cara, como  está coroa

o  que vais querer

em  troca de um

abraço?

A diversão  vale mais

que um diploma.

Uma tela gigante vale mais que uma boa conversa.

Mais  vale uma maquiagem

que  um sorvete. 

Mais  vale parecer do que ser…

Quando  foi

que  tudo desapareceu

ou

se  tornou ridículo?

Quero  arrancar as grades da  minha janela para poder  tocar as flores!

 DSCF1156

Quero  me sentar na varanda  e dormir com a  porta aberta nas noites  de verão!

Quero  a honestidade como motivo  de orgulho.

Quero  a retidão de caráter, a cara limpa e

o  olhar olho-no-olho.

Quero  sair de casa  sabendo  a hora que estarei  de volta, sem   medo de assaltos   ou balas perdidas

Quero  a vergonha na cara  e a solidariedade,

onde   uma palavra valia  mais que qualquer documento assinado. 

DSCF0171

Quero  a esperança, a alegria,  a confiança de volta!

Quero  calar  a boca de  quem diz:

“ temos que estar ao nível de…”,

ao  falar de uma pessoa.

abaixo  o  “ter”, viva o “ser”

e  definitivamente bela,

como  cada amanhecer.

E,  viva o retorno da  verdadeira vida, simples  como a chuva, limpa  como o céu de  primavera, leve como  a brisa da manhã!

Ipê Roxo (6)

Quero  ter de volta

o  meu mundo simples e  comum.

Vamos  voltar a ser “gente” 

onde  existam amor,  solidariedade  e fraternidade como  bases.  

A  indignação diante da  falta de ética, de  moral, de respeito... 

Construir  um mundo melhor, mais  justo, mais humano,  onde as pessoas respeitem  as pessoas.

pantanal 254

Utopia? 

  Quem sabe?...

    Precisamos tentar…

Quem  sabe começando a encaminhar ou transmitindo  essa mensagem…

Nossos  filhos merecem e

nossos  netos

certamente  nos agradecerão!

Teremos  de volta nossa dignidade 
nosso respeito 
nossos direitos 
nossas vidas

pense,

decida

só depende,  de você

(Arnaldo  Jabor)

Recebi por email, se o texto é mesmo do Arnaldo não sei, mas identifico-me com a mensagem.

Novos mimos


RECEBI ESTE CARINHO DO HOLD DO blog http://sandrarandrade7.blogspot.com/

E OFEREÇO A TODOS OS MEUS SEGUIDORES.

ESTE CORAÇÃO DE OURO É PARA VOCÊ,

As Regras são as seguintes:

1- Colocar o Prêmio no seu blog ou post!

2- Nomear no mínimo 10 blogs que demonstram Amizade e/ou Gratidão.

Eu nomeio meus amigos, aqueles que gostam daquilo que escrevo e deixam sempre uma mensagem.

O prêmio é de vocês.

 

Pra você Sandra, eu tiro o chapéu. Obrigada!

http://3.bp.blogspot.com/_vzrlnu76oJw/SmRPwdL7sCI/AAAAAAAABxI/5ahCKzPcN18/s320/chapeulilas.gif

Recebi esses carinhos da Ester

O recebi através de email. Obrigada por sua amizade.

amigos4ever1fd8

amizadelindalx5

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

O pai do meu pai

familia 001Meu avô Giobatta. 

Não o conheci. Trinta anos separam sua morte do meu nascimento, no entanto, sua imagem é tão viva dentro de mim como se ainda ontem eu tivesse falado com ele.

Sei tudo sobre sua vida e tenho por ele um carinho e um  respeito imenso.

Nascera na metade do século XIX, na Itália, numa pequena cidade chamada Sanguinetto. Era o segundo filho do segundo casamento de sua mãe. Ainda garoto presenciou forte terremoto que de tanto que a terra balançou até os sinos da igreja tocaram. Por volta dos 12 anos seu pai sumiu depois de uma briga com um empregado e nunca mais se soube dele. Ele se tornou o responsável pelos irmãos menores e também pela mãe.

chiesa di San Giorgio

Igreja de San Giorgio Mártire (Sanguinetto- Itália) onde meu avô foi batizado em 1865 e se casou em 1887.

Se casou aos 21 anos  e apenas terminou o serviço militar, vendo a dificuldade por que passava sua família, pensou em “fazer América”. Assim, com a mulher grávida, a mãe e os irmãos menores embarcou seu sonho no porto de Gênova. Chegou no Rio de Janeiro no dia 15 de novembro de 1887.

    stazione 2

Estação de trem de Sanguinetto    Navio - scielo.br

Aqui ainda haviam escravos. Os negros eram uma novidade para ele e sua família pois nunca haviam visto antes nenhuma pessoa que não fosse de pele branca. Foram levados  para uma fazenda de café, no interior paulista, pois os donos já previam o fim da escravidão e faziam propaganda da América na Europa a fim de atraírem os imigrantes para substituí-los, principalmente, na colheita do café.

Terra brasileira .net

As condições de vida, tirando os castigos físicos, quase nada diferia da dos negros. Um casebre, colchão de palha, o salário apenas servia para pagar as passagens e, a despesa com a comida ficava  em débito na venda do patrão. Mas, trabalhou de sol a sol e, aos poucos conseguiu comprar sua própria terra e saiu dali para morar num lugar chamado Bom Jardim. Imagino que aquele pedaço de terra, para ele, fosse um jardim mesmo, pois representava sua liberdade e a esperança de uma nova vida.

Homem simples e rude. Com a força de seus braços criou os 20 filhos. Certo é que alguns morreram ainda crianças e duas morreram na juventude. Uma no parto do primeiro filho, aos 20 anos e a outra, com apenas 17, quando soube da morte da irmã também não resistiu. Dá para imaginar como fica o coração de um pai numa hora como esta. Mas sua força interior o levava sempre adiante. Quando sua mãe morreu, octagenária, era já um homem rico e mandou publicar no jornal de São Paulo a morte e a missa de sétimo dia.

Para surpresa dele e de todos, dias depois, surge na fazenda um trole trazendo um homem de longas barbas brancas. Assim que meu avô o viu logo gritou para os funcionários do engenho: “VARDA ME POPA”. Vejam meu pai!

historiadeindaiatuba.blogsp...

Emoção e alegria como aquela deveria ser festejada. Um reencontro depois de quase 40 anos sem saber uma única notícia. Foi através do anúncio da morte de sua mulher publicado no jornal, que fez meu bisavô descobrir que sua família também estava morando no Brasil.

Os festejos duraram uma semana. Todos os parentes vieram para conhecê-lo. Meu pai era um garoto de 10 anos na época mas sempre se lembrava deste fato e,  quando o recontava as lágrimas lhe saltavam dos olhos.

familia 002

Meu pai: João, caçula dos 20 filhos de Giobatta.

Assim meu pai foi criado, respeitando os mais velhos e, assim ele me criou, valorizando a família e suas raízes.

Tive uma educação muito rígida, mas nunca levei um tapa sequer. Bastava um olhar e sabia exatamente o que ele queria dizer. Claro, que por muitos anos, fiquei ressentida por muitas atitudes de meu pai.

familia 005

Angela aos 2 anos.

Hoje entendo que, dentro de toda sua rigidez, o que ele queria mesmo era manter os bons princípios, dentre eles o respeito ao próximo e principalmente aos mais velhos. Tudo tinha de repartido igualmente entre os filhos. Ninguém tinha privilégios. Ninguém passou fome, mas trabalho também nunca amedrontou ninguém.

Hoje, em pleno século XXI, vemos o que a falta de limites e respeito têm feito dos nossos jovens. Eu tive uma educação moldada no século XIX e tive de educar meus filhos para viverem no século XXI. Espero que eles continuem valorizando suas raízes, seus pais, seus avós e bisavós.

familia 003

André e Henrique, meus filhos.

Nossos antepassados são como o tronco da videira. Não importa quantas vezes seus galhos tenham de ser podados, se o tronco for forte, eles brotarão e frutos cada vez melhores dele nascerão.

Domingo é dia dos pais. Que este dia seja lembrado não só pelos presentes, mas sobretudo pelo respeito aos idosos que um dia foram seu sustento e deram todo seu suor e sonharam junto com vocês.

Nunca devemos pensar que somos mais que nossos pais. Se somos hoje o que somos, devemos antes de tudo a eles.

Feliz dia dos pais a todos.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

A fonte dos desejos

 

Clipe com a cena de abertura do filme: A FONTE DOS DESEJOS, ganhador de 2 OScar, em 1954.
A música é Three Coins in the Fountain, cantada pelo magistral Frank Sinatra.

As imagens da Fontana de Trevi, em Roma, maravilhosas.

Cumprindo a tradição, três amigas americanas, jogaram 3 moedas, formularam um desejo cada, para que conseguissem, o homem dos seus sonhos.

Show. Curtam !!!